As cores de Matisse, um escultor em busca de novas formas, uma escultura viva. Alegria de Viver discute o papel do artista e as inversões do mercado cultural para perguntar: quais são os vestígios que deixamos no mundo? O que criamos no mundo? O que fazemos com nossa criação?

Indicado para o Prêmio Braskem de Teatro 2010 nas categorias Melhor Ator (George Mascarenhas) e Melhor Texto (Deborah Moreira).

 

Sinopse

Inspirado no mito de Pigmaleão, Alegria de Viver conta a história de um escultor que, cansado do seu trabalho, decide vender suas antigas obras em busca de novas formas de criação. Uma de suas esculturas ganha vida para reivindicar seu lugar.  O espetáculo brinca com a obra homônima Alegria de Viver de Henri Matisse e aborda a relação entre o artista e a obra de arte para discutir questões atuais sobre o valor da arte, o mercado cultural e os vestígios humanos no mundo.

Vídeos

Alegria de Viver vt

 

Fotos

fotos: Alessandra Nohvais

Temporada

Alegria de Viver estreou em 2007, tendo realizado diversas temporadas:

• Teatro ICBA- Instituto Goethe – abril/maio 2009
• Teatro SESI – Junho – agosto – 2009
• Janeiro-mar – 2010
• Festival Nacional de Teatro da Bahia – Mar 2010
• II Mostra de Mímica Contemporânea – São Paulo – ago 2010
• Prêmio Jurema Penna – Circulação de espetáculos de teatro (Bahia) – dez
• Turnê – interior da Bahia – 2010 -mar 2011
• III Mostra de Mímica Contemporânea – São Paulo – 2011
• Teatro SESI – nov/dez 2011
• Festival Latino-Americano de Teatro – set/2012

Ficha Técnica

Texto: DEBORAH MOREIRA
Direção: GEORGE MASCARENHAS
Elenco: DEBORAH MOREIRA e GEORGE MASCARENHAS
Assistente de direção e de produção: ZENNY LUZ
Figurinos: DEBORAH MOREIRA e WALDETE MASCARENHAS
Ambientação cênica: GEORGE MASCARENHAS
Iluminação: LUCIANO REIS
Trilha Sonora: LUCIANO SALVADOR BAHIA
Concepção audiovisual e fotos: DEDECO MACEDO
Desenhos: GABRIEL E EDUARDO NOVELLI
Pinturas: ZUARTE JR. E HENRI MATISSE
Design gráfico: YARASARRATH LYRA
Adereços: AGAMENON DE ABREU e AMINCHA TORRES
Cabelos: ISIS CARLA
Maquiagem: WILSON D’ARGOLO